Imigracao, trabalho e estudo nos Estados Unidos

Procurar na web e site
Custom Search
Quem esta on-line
1 Registered (Monnie3), 25 Guests and 1 Spider online.
Key: Admin, Global Mod, Mod
Links Uteis


New Posts
Procedimentos para turismo com visto de estudante
by Monnie3
1 second ago
Cidadania vale a pena
by Monnie3
Hoje as 09:52 AM
VIsto - Quais são minhas opções?
by Silvanads
Ontem as 05:35 PM
Casar/ dar à luz nos EU
by Monnie3
Ontem as 08:54 AM
Visto B2, primeira viagem sendo de trânsito
by Monnie3
Ontem as 08:35 AM
casamento residente permanente
by rissy
Ontem as 07:12 AM
Duvida - Troca de Visto Turista para Estudante
by rissy
07/25/14 06:26 AM
visto negado pelo codigo 214 (b)
by rissy
07/25/14 06:16 AM
Alguma enfermeira já está trabalhando?
by Kahnm
07/24/14 08:58 AM
Dúvidas sobre retorno aos EUA
by ricardobs
07/23/14 10:38 PM
Mandar coisas dos EUA para o Brasil
by ricardobs
07/23/14 02:54 PM
Visto aprovado - chegou hoje!
by Silvanads
07/23/14 02:15 PM
Opcoes do Topico
Avalie este topico
#78594 - 11/03/08 10:16 AM Brasil "sem-teto" nos EUA
Loxinha Offline
04 - Aprendiz
*****

Registrado: 08/03/04
Posts: 305
Loc: Houston, TX (USA)
02/11/2008 - Brasil "sem-teto" nos EUA

O estouro da "bolha imobiliária" e a paralisação do mercado de construção de novas residências nos EUA atingiu em cheio uma das maiores comunidades de brasileiros nos EUA, na cidade de Newark, no Estado de Nova Jersey.

Nos últimos meses, dezenas de famílias deixaram Newark, muitas para voltar ao Brasil. Entre os brasileiros, a maioria dos homens trabalha ou trabalhava na construção. Eles não só perderam os empregos. Agora, perdem em massa as suas casas.

Há pouco mais de um ano, o mineiro Marcelo Costa, 37, estava comprando financiadas duas casas em Newark. Quando tomou os empréstimos, em 2004, os valores dos imóveis eram de US$ 400 mil e US$ 290 mil. Há pouco mais de dois anos, chegaram a US$ 620 mil e US$ 500 mil, no pico do "boom" imobiliário norte-americano.

Na época, Costa surfava nessa boa onda trabalhando como corretor de imóveis, o que lhe garantia um rendimento superior a US$ 10 mil ao mês. "Em dois anos, minha vida virou de ponta-cabeça", afirma.

Os preços dos imóveis que ele estava comprando começaram a desabar com o estouro da "bolha". Seu rendimento despencou junto. Como no período de alta os compradores usam a valorização para levantar novos empréstimos, Costa ficou na seguinte situação: duas prestações muito altas, relativamente ao valor dos imóveis (eles hoje valem quase o mesmo que há quatro anos), e sem a renda de antes.

Resultado: teve de devolver os imóveis aos bancos. Hoje, Costa mora na casa de um ex-cunhado e luta para ganhar entre US$ 2.500 e US$ 3.000 por mês dirigindo uma limosine entre Newark e Manhattan, na vizinha Nova York. "Aqui não é como o Brasil. Vou me levantar de novo, pode apostar", diz Costa, há 17 anos nos EUA.

Em Newark, há prédios e ruas inteiras com imóveis fechados, grande parte deixados para trás por brasileiros, que somam cerca de 30 mil nesta cidade de 280 mil habitantes.

Eles perderam o emprego e não pagaram os empréstimos
Segundo o corretor brasileiro Valtair Souza, da Exit Realty, quase 70% dos brasileiros que compraram casas em Newark durante o "boom" perderam ou estão em vias de perder os seus imóveis.

Quem perde a casa e não vai embora acaba alugando muitos dos imóveis disponíveis, que passam a ser administrados por bancos ou corretoras. Enquanto o valor de uma prestação ("mortgage", em inglês) mais taxas de propriedade em Newark estão hoje em US$ 5.000, em média, é possível alugar imóveis grandes por menos de US$ 2.000. É o que muitos acabam fazendo.

O "boom" imobiliário foi tão intenso em Newark que muitas casas que chegaram a valer mais de US$ 600 mil foram construídas, por falta de terrenos, em áreas de indústrias e galpões abandonados, degradadas e violentas. Hoje, estão vazias, para alugar ou vender, e valem um terço do que custavam no auge do mercado.

Quando estava em sua "grande fase", Costa trabalhava para outro brasileiro, o "Dr. Mortgage", como é conhecido Mario Damião, 44, âncora do programa de TV "Casa Nova" (agora suspenso), exibido nos EUA e Canadá, de orientação sobre o mercado imobiliário.

Há 20 anos no país, o paulistano Damião tem há dez anos uma licença para "mortgage banking" nos EUA. No auge do "boom" passou a ter, além de Costa, outros 95 corretores na sua empresa. Na boa fase, a Castle Home Mortgage chegou a girar US$ 25 milhões vendendo 60 imóveis por mês.

Hoje, trabalha com apenas 20 pessoas e fechou quatro de seus oito escritórios na região. "Na época do 'boom' era assim: 'O sujeito respira?'. Então tem financiamento", diz Damião.

Como os preços não paravam de subir, o negócio era muito pouco arriscado para os bancos, que tinham imóveis em forte valorização como garantia caso o comprador ficasse inadimplente. Até o mercado inverter e embicar para baixo.

Hoje, Damião diz ter vários imóveis para alugar vazios. Ele não confia em alugá-los a quem diz trabalhar, por exemplo, no setor de construção, caso da maioria dos brasileiros. "É um emprego em extinção", diz.

Damião calcula "uns dez anos" para que a demanda para a compra de imóveis volte a se ajustar à oferta em Newark.

A crise imobiliária que acertou os brasileiros já deprime também outros negócios, como as várias lojas de Newark voltadas a eles. Na cidade, há ruas inteiras delas, onde o português predomina.

Segundo Marta Martins, da Pantanal, especializada em artigos importados do Brasil (de CDs de forró a balas 7 Belo), o movimento caiu "pela metade" no último ano.

"Muita gente já foi embora ouvindo dizer que as coisas estão melhores no Brasil. Acho que agora em dezembro e janeiro, quando o frio apertar, vai mais uma boa leva", diz.

Bancos com problemas

A perda em massa de casas por famílias norte-americanas e de imigrantes nos EUA gerou um problema gigantesco para os bancos no país.

Além de deixar de receber as prestações pelos financiamentos concedidos, os bancos estão tendo que administrar milhares de imóveis que acabam retomando dos seus clientes --uma atividade que nada tem a ver com o seu negócio.

Enquanto não encontram solução para os imóveis, a tendência é que eles se deteriorem e percam ainda mais valor. Há centenas de relatos de casas abandonadas e que acabaram sendo vandalizadas ou infestadas por insetos e ratos por causa de restos de alimentos deixados para trás.

Só no terceiro trimestre deste ano, 765,5 mil famílias nos EUA tiveram ordens de despejo concedidas pela Justiça (o site www.foreclosure.com dá uma boa idéia do tipo de imóvel retomado e agora à venda). O problema já obriga os bancos a aceitar valores muito baixos para se livrar dos imóveis.

A operação, conhecida como "short sale" (venda rápida), é a seguinte: o comprador inadimplente do imóvel tenta encontrar, via um corretor, alguém interessado em sua casa. Esse potencial comprador faz uma oferta à vista, na maioria das vezes muito baixa.

As partes vão ao banco e oferecem o negócio. Se o banco aceitar, fica com o dinheiro à vista. O novo comprador, com o imóvel. E o antigo comprador, sem nada (mas livre da sua dívida).

Depois de terem suas carteiras abarrotadas por imóveis devolvidos, os bancos também estão partindo para a ofensiva e oferecendo o refinanciamento das dívidas, especialmente depois que o Fed (o banco central dos EUA) inundou o mercado financeiro com dinheiro a juros muito baixos.

Nesse caso, o banco reduz, por exemplo, o juro do financiamento de 8% ao ano para 3,5% por um prazo de normalmente cinco anos, dando fôlego ao comprador.

Na sexta, o JP Morgan, maior banco dos EUA em valor de mercado, anunciou que passará a refinanciar cerca de US$ 110 bilhões de sua carteira de empréstimo imobiliário.

Disse ainda que suspenderá por até 90 dias os pedidos judiciais de despejos contra seus clientes inadimplentes, até que consiga uma renegociação com eles.

A FDIC, agência federal garantidora dos depósitos bancários nos EUA, também vem pressionando o Tesouro para que use parte do pacote de US$ 700 bilhões aprovado no Congresso para ajudar os compradores inadimplentes.

O plano prevê a utilização de até US$ 50 bilhões a serem usados no refinanciamento, a juros menores, de US$ 500 bilhões em dívidas não pagas. Mais de 4,5 milhões de famílias têm financiamentos imobiliários em atraso hoje.

----------------------------------
Fernando Canzian, 42, é repórter especial da Folha. Foi secretário de Redação, editor de Brasil e do Painel e correspondente em Washington e Nova York. Ganhou um Prêmio Esso em 2006. Escreve às segundas-feiras.
E-mail: fcanzian@folhasp.com.br

Top
#78791 - 11/07/08 08:02 AM Re: Brasil "sem-teto" nos EUA [Re: Loxinha]
Gabe Offline
03 - Novato
*****

Registrado: 03/02/08
Posts: 121
Loc: Brasil
Tudo o que está acontecendo nos EUA e no resto do mundo
está lá... disposto nas Escrituras Sagradas.
A Bíblia conta que TODOS os grandes impérios da história cairam.
Fico triste e com medo da queda do império americano,
que vai gerar uma reação em cadeia e o mundo todo
sofrerá as consequências.
O que peço é forças a Deus, para que eu possa dar forças ao meu
noivo, forças pra enfrentarmos juntos o que vem por aí.
Ninguém sabe ao certo a extensão e a profundidade dessa crise.
Mas sabemos que ela é grave...gravíssima e de proporções comparáveis à da grande depressão de 29.
Que Deus nos ampare e tenha misericórdia de todos nós. Que nos dê forças para que possamos auxiliar e ter paciência
com os nossos maridos, pois eles vão precisar muito de nosso
amor, companheirismo, apoio e cumplicidade.
Mais que nunca, devemos AMAR.
Amém.
_________________________
"Consideramos como verdade evidente que todas as pessoas foram dotadas por seu Criador de certos DIREITOS INALIENÁVEIS,encontrando-se dentre esses, a vida, a LIBERDADE e a busca da felicidade." (Roger Williams)

Top


Moderator:  imigrar 
Photos de usuarios
Photos
Novos Membros
fscott, andersonqc, ragirl21, lucasce, Robin
12103 Usuarios Registrados
Visit our sponsor

Forum Stats
12104 Membros
58 Forums
13631 Topics
105516 Posts

Max Online: 117 @ 03/10/14 10:21 PM
Top Usuarios
Elton 11904
Fe_Docinho 5788
Sandrinha_Hawaii 3591
Milton 3478
sue 3192
Lisa_Cindy 2761
John_Carlos_S 2708
Monnie3 2250
Jujubinha 2246
catia2006 2098
Gegel 1444
sweet 1315
carla041201 1231
rissy 1046
Brian 1031
Photos
Eu com uma guitarra
Moto Voador do Brasil
Andinho fotos
My Visa
My visa!


Faca uma doacao para o Imigrar.com
Clique AQUI
. O nosso forum existe gracas ao grande coracao de muitos usuarios que contribuem monetariamente para o site. Obrigado


Se esta página foi util para você, deixe seu recado no Livro de Visitas do forum e diga isso para todos seus amigos
ATENÇÃO: Todas as páginas do site foram feitas usando 100% de bits reciclados. Este site protege o meio ambiente.

TODAS as informações aqui são de carater meramente informativo, e não são respaldadas por nenhum advogado ou orgão do governo americano ou Brasileiro.

DISCLAIMER: This site doesn't have an attorney. The opinions expressed herein are designed to provide educational information only and are not intended to, nor do they, offer legal advice. All opinions are not intended to create an attorney-client relationship, nor does it constitute legal advice to any person reviewing such information. No electronic communication with any member of Imigrar.com will generate an attorney-client relationship, nor will it be considered an attorney-client privileged communication. I recommend you obtain your own attorney's advice and counsel for your questions.

ATENCAO: O imigrar nao se responsabiliza pelos anuncios que sao vinculados no site
WARNING: Imigrar.com do not assume responsability for the advertisers here on our site.

Buscador - Empregos nos EUA - Morar nos EUA - Viajar nos EUA - Estudar nos EUA - Trabalhar nos EUA
Membros - Como Usar o site
Inglês nos EUA - Contate-nos - FÓRUM - Envie esta página - Respostas do mês
Home

Todo o conteudo desta página é de propriedade de Imigrar.com®.
Reproduções© não autorizadas são proibidas. E-mail Imigrar.com para pedir autorização para reprodução.
Leia nossa Missão para saber os objetivos de nosso site.
Host Service EHNet, Inc. - Copyright ©1997 - 2014